Pedro Vieira (b. 1967) is an amateur photographer from Porto, Portugal.
From an early age he has four great passions; music, cinema, airplanes and photography.
When in the late 90’s he bought his first “for real” camera, with advanced features and the possibility of changing lenses, he instantly started something that fascinated him.
For about 14 years he dedicated himself almost exclusively to “plane spotting” (observe, photograph and catalogue aircrafts as a hobby) at Porto International Airport.
After a break for reflection, in 2017 he decides to explore other areas of photography and embrace other topics. 
With the change, people, architecture and street photography became his favorite themes.
He also began to explore a different way of photographing that he had never tried before, black and white photography. That way of photographing conquered him in such a way that today virtually everything he does is done in black and white and only sporadically enters the world of color.
Unless participation in an exhibition or contest so requires, Pedro does not give a name or title to his photos. As one renowned and world-awarded Portuguese photographer told him… “If a photograph don’t speak for itself, it is not a photograph”.

Separador Texto II

Pedro Vieira (n. 1967) é um fotógrafo amador da cidade do Porto, Portugal.
Desde tenra idade que tem quatro grandes paixões; música, cinema, aviões e fotografia.
Quando em finais dos anos 90, compra a sua primeira máquina fotográfica “a sério”, com funcionalidades avançadas e a possibilidade de trocar as lentes, de imediato deu início a algo que o fascinava.
Durante cerca de 14 anos dedicou-se quase em exclusividade ao “plane spotting” (passatempo que consiste em observar, fotografar e catalogar aviões) no Aeroporto do Porto.
Após uma pausa para reflexão, em 2017 decide explorar outras áreas da fotografia e abraçar outros tópicos. 
Com a mudança, pessoas, arquitectura e fotografia de rua passaram a ser os seus temas favoritos.
Começou também a explorar uma forma de fotografar diferente e que nunca tinha experimentado, a fotografia a preto e branco. Essa forma de fotografar conquistou-o de tal forma, que hoje praticamente tudo que faz é feito em preto e branco e só esporadicamente entra no mundo da cor.
A não ser que a participação numa exposição ou concurso assim o exijam, Pedro não dá nome ou título ás suas fotos. Como lhe disse um reconhecido e mundialmente galardoado fotógrafo português… “Se uma fotografia não falar por si, não é uma fotografia”.